Um tapa, um Oscar, Lulapalooza e um paredão: frenesi nas redes sociais na noite de domingo

Will Smith e Chris Rock protagonizam cena mais comentada das redes sociais. Foto: Reprodução.

MANAUS– |Não se pode dizer que a noite de domingo tenha sido monótona. As redes sociais estiveram em absoluto frenesi com três ações que se tornaram assuntos do momento no Brasil e no mundo: um tapa dado pelo ator Will Smith no comediante Chris Rock, durante a festa de premiação do Oscar; o próprio Will sendo consagrado como melhor ator do ano; as manifestações de “Fora Bolsonaro” e apoio ao pré-candidato Lula no festival Lollapalooza, realizado neste final de semana em São Paulo, e a formação de um paredão considerado a grande trairagem na edição 22 do Big Brother Brasil. Entenda as polêmicas.

A polêmica do Lollapalooza começou com um gesto de Pablo Vittar, na sua apresentação na noite de sábado, quando ergueu os dedos em L e estendeu um tecido estampado com o rosto de Lula, pré-candidato à presidência da República. O PL, partido do presidente Bolsonaro, foi ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedir a proibição de manifestações políticas durante os shows. Deu tudo errado. O TSE acatou a decisão, mas uma informação errada nos endereços de e-mails listado pelos advogados do partido, na petição, impediram a notificação e as consequentes multas.

A atitude de Pablo Vitar deu início à polêmica. Foto: reprodução

De qualquer forma, os artistas brasileiros que estavam escalados para a segunda noite, já haviam manifestado que estavam dispostos a pagar a multa estipulada pelo TSE: R$ 50 mil por cada desobediência. E o Lollapalooza virou Lulapalooza. Com gritos e mensagens de “Fora Bolsonaro” e apoio a Lula.  O assunto foi parar nas redes sociais, com manifestações contra a restrição de liberdade. “Cala boca já morreu”, “Fora Bolsonaro”, “Voltamos a 1964”, foram algumas das manifestações de famosos e não tão famosos. O assunto rendeu e pegou fogo com a apresentação de Marcelo D2, que xingou Bolsonaro e elogiou Lula.

“O Brasil é tão careta que um festival como o Lollapalooza vira revolucionário”, criticou Axé Milleniun, em sua conta no twiter.

O tapa – Enquanto isso, na premiação do Oscar, o comediante Chris Rock fez uma piada duvidosa sobre a aparência física da mulher de Will Smith, Jada Pinkett, que sofre de Alopecia – uma condição autoimune que provoca a queda de cabelos e pelos do corpo – e, por isso, decidiu raspar os cabelos. Não era a primeira vez que Rock falava da condição de Jada e ela ficou visivelmente constrangida. Will Smith então se levantou, foi até o palco e desferiu um tapa no rosto do comediante. Pouco depois ele foi confirmado como melhor ator por sua atuação em King Richard – Criando campeãs e, em seu discurso, se emocionou, chorou, pediu desculpas ao público e disse que o amor leva a cometer loucuras.

Mas o assunto foi para os trends e dividiu opinião. Parte dos internautas teceu elogios à atitude de Smith em defesa da mulher e alguns chegaram a compará-lo com um herói. De outro lado, havia os que o condenavam pela atitude de violência. Por último, artistas e, principalmente, comediantes, desceram a lenha em Will Smith, afirmando que não se pode censurar um comediante. “Um tapa na cara de um comediante é como uma bomba no Porta dos Fundos, é como um atentado ao Charlie Hebdo”, afirmou o comediante Victor Sarro. Já Rafinha Bastos ironizou: se uma piada minha te incomoda, me dê um tapa, não processo. Deixe meu dinheiro em paz”. De qualquer forma, ficou a polêmica: qual o limite do humor ou o humor do limite?

Uma boa ação e uma decisão polêmica no BBB. Foto: Reprodução.

Facada nas costas – Nas noites de domingo o que não pode faltar é a formação do paredão do Big Brother Brasil, programa da Rede Globo que, segundo muitos internautas, está “flopado” – na linguagem da internet, algo que não deu certo – mas está garantindo aproximadamente 30 pontos de audiência no horário. Desta vez, a polêmica começou na prova do líder, quando três dos meninos do quarto Grunge, que estavam na prova como finalistas – Pedro Scooby, Paulo André e Douglas Silva – decidiram pular fora da prova e dar a vitória à Lina. Ocorre que Lina faz parte do grupo das comadres, que vota sistematicamente nos participantes do Grunge. A decisão dos Brothers irritou Arthur Aguiar que se sentiu exposto e alvo da indicação direta da nova líder. O assunto foi bastante comentado, uns achando a decisão do grupo linda, um ato de cavalheiros e realizado por decisão do coração e, por sua vez, tachando Arthur de mimado, egoísta e outros adjetivos.

A decisão de Lina, de indicar justamente Paulo André – um dos três que abriram mão da liderança a seu favor – acompanhada da decisão de suas duas amigas, Nathalia e Jessi, de votar em Scooby, colocando os dois no paredão, deu o que falar. “Trairagem”, “facada nas costas”, “Lina selou seu destino” e, por fim, a TAG “Arthur estava certo”, dominaram a madrugada de domingo.

Com tanto assunto, quase passa batida a premiação inédita do Oscar, que concedeu a estatueta de melhor ator coadjuvante para o norte-americano Troy Kotsur, o primeiro homem surdo a conseguir o feito. Ele atua em No Ritmo do Coração, que conquistou o prêmio de melhor filme do ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui