Marca nacional de beleza lança edição do banco de imagens com a diversidade brasileira

O banco de imagens vai ficar disponível para acesso público. Foto Divulgação

MANAUS – | Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, o Grupo Boticário (Boticário, Quem Disse, Berenice? Eudora, Vult, O.U.I e Australian Gold) lança a terceira edição do banco de imagens Mulheres (In)Visíveis, dando mais um passo em direção à ressignificação dos estereótipos na publicidade, propósito do movimento Diversa Beleza, lançado em janeiro de 2022. O projeto é realizado em parceria com a 65|10, consultoria criativa especializada em mulheres e faz parte da campanha do Dia Internacional da Mulher.

O banco vai resultar em 50 imagens que retratam a diversidade de tipos de peles em seus tons, texturas e características, considerando recortes de perfis vistos na população feminina brasileira. Além de serem contempladas nas campanhas digitais das marcas, as fotos serão de domínio público e estarão no site do Grupo Boticário, e disponíveis gratuitamente, a partir desta terça-feira (08), no Adobe Stock, uma das principais plataformas de armazenamento de imagens do mercado.

O lançamento da edição inédita do Mulheres (In)Visíveis pontua o compromisso do Grupo Boticário em comunicar uma beleza cada mais representativa e a intenção de impactar a sociedade. “Queremos, cada vez mais, representar uma beleza livre de estereótipos e idealizar o banco de imagens nos permite avançar nessa jornada.”, comenta Renata Gomide, diretora de Marketing do Grupo Boticário.

Criado pela consultoria criativa 65|10, o projeto Mulheres (In)Visíveis tem como objetivo estampar em imagens publicitárias a mulher brasileira em seus diversos perfis, destacando suas singularidades. “Oferecer ao universo da comunicação ferramentas para um retrato mais amplo e fiel das mulheres brasileiras é o sonho por trás do Mulheres (In)Visíveis, o banco de imagens das mulheres que a publicidade não mostra. Chegar à terceira edição é extremamente importante em um momento em que a brasileira está cada vez mais olhando para a relação com a sua pele e buscando ressignificar através dessa relação fatores como raça, idade e saúde”, explica Thais Fabris, fundadora do 65|10.

O casting foi selecionado com olhar atento ao fortalecimento de identidade e descentralização da beleza as fotos retratam diferentes etnias, tons, texturas e características como melasma e vitiligo. Para clicar o projeto, o nome selecionado foi o da fotógrafa cearense Karla Brights, com amplo repertório em editoriais de moda e beleza. Já a produção é da Silva, produtora nascida e criada nas periferias do Rio de Janeiro, que tem como pilar criar narrativas visuais a partir de um olhar periférico.

As 50 imagens estarão disponíveis para download no Adobe Stock, uma das principais plataformas de armazenamento de imagens do mercado, com mais de 100 milhões de imagens disponíveis. “Temos como objetivo incentivar que brasileiros disponham de suas fotos no Adobe Stock e usem o acervo que representa a diversidade local, formando um ciclo de consumo de imagens mais representativo localmente”, afirma Gabriela Viana, diretora de marketing da Adobe na América Latina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui