DESAPARECIDOS: Polícia ainda não tem pistas sobre paradeiro de jornalista e indigenista

O funcionário licenciado da Funai acompanha o jornalista pela região do Javari. FOTO: Reprodução.

DA REDAÇÃO

MANAUS -| A Polícia Civil do Amazonas ainda não tem pistas sobre o paradeiro do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista brasileiro Bruno Pereira, que estão desaparecidos desde o último domingo, por volta das 7h, quando estavam realizando um trajeto fluvial na comunidade indígena Vale do Javari.

Foi registrado um Boletim de Ocorrência na 50ª Delegacia Interativa da Polícia Civil (DIP) de Atalaia do Norte – a a 1.138 quilômetros de Manaus. Conforme o BO, os moradores da comunidade ribeirinha São Rafael relataram que os dois homens fizeram uma parada no local, mas seguiram adiante. No entanto, populares da comunidade Cachoeira, situada mais abaixo, no rio Itacoaí, não visualizaram a embarcação passando pelo rio.

O delegado Alex Perez, titular da 50ª DIP, está coordenando as ações operacionais e conduzindo o Inquérito Policial (IP). Ele informou que estão sendo ouvidas pessoas que mantiveram contato com os dois, para que se estabeleça a diâmica da investigação.

O delegado Guilherme Torres, diretor do Departamento de Polícia do Interior (DPI). informou, ainda, que estão sendo adotadas todas as providência para localizar os dois desaparecidos e solucionar o caso. Ele também destacou que equipes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), do Batalhão Ambiental da Polícia Militar do Amazonas (BPAmb-PMAM) e Corpo de Bombeiros, seguiram para reforçar as buscas no município. 

Buscas – Equipes da Fundação Nacional do Índio (Funai), da Força Nacional e da Polícia Federal retomaram, nesta terça-feira (7), as buscas pelo indigenista e o jornalista inglês.

Em nota, o Itamaraty afirmou que o governo brasileiro acompanha o caso com muita preocupação.

“Mobilizado desde logo, o Departamento de Polícia Federal (PF) está atuando naquela região e tomando todas as providências para localizá-los o mais rápido possível. A PF fez repetidas incursões e tem contado com o apoio da Marinha do Brasil, que se somou aos esforços nos trabalhos de buscas de ambos os cidadãos”, diz a nota, acrescentando ainda que o governo continuará acompanhando as buscas e que, em hipótese de o desaparecimento ter sido causado por atividade criminosa, todas as providências serão tomadas para levar os perpetradores à Justiça”.

Também em nota, a Polícia Federal informou que desde que tomou conhecimento do desaparecimento do indigenista e do jornalista, vem realizando medidas investigativas e de inteligência policial visando o esclarecimento dos fatos e a resolução do caso.

Informa, ainda, que desde a segunda-feira (6), com o apoio da Marinha, foram realizadas incursões na calha do Rio Itaquaí, mais precisamente no trecho compreendido entre a frente de proteção etnoambiental itui-itauqai e o município de Atalaia do Norte/AM, região noroeste do Amazonas.

“Das diligências efetuadas foi possível identificar 02 (duas) pessoas que tiveram contato com os desaparecidos, as quais foram encaminhadas à Polícia Civil de Atalaia do Norte para prestar esclarecimentos. Porém, nenhuma delas foi presa”, diz a PF, informando, ainda, da retomada das buscas na manhã de hoje, com apoio de helicóptero para sobrevoo da região.

Com informação da Assessoria de Comunicação da PC-AM e CNN Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui