Com 32 mil afetados pelas chuvas, Acre entra em estado de emergência

Mais de 48 bairros estão debaixo d’água

O governo do Acre e a prefeitura de Rio Branco, capital do estado, declararam estado de emergência devido às chuvas que atingiram a região. Só na capital acreana, 32 mil pessoas foram afetadas, segundo dados da prefeitura. Pelo menos dois mil estão desabrigados e 500 em abrigos municipais. O temporal começou na última quinta-feira (23). A força das águas foi tanta que abriu uma cratera na BR-364 e interrompeu o trânsito.

De acordo com o boletim da Defesa Civil estadual, o Rio Acre atingiu 16,23 metros no sábado (25), ultrapassando a cota de emergência de 14 metros. Além da capital Rio Branco, os municípios de Epitaciolândia, Assis Brasil e Brasiléia também foram fortemente atingidos. Um plano de crise foi posto em prática e a cidade começou a receber as primeiras doações neste fim de semana para ajudar os afetados. São cestas básicas, roupas, colchões e outros insumos.

O ministro da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, e a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, sobrevoaram neste domingo (26) as principais áreas atingidas pelo transbordamento do Rio Acre.

“Para agilizar a assistência do governo federal aos municípios atingidos, trouxemos para Rio Branco técnicos da Defesa Civil Nacional. Eles realizarão os planos de trabalho para a solicitação de recursos federais para assistência humanitária, restabelecimento de vias públicas, pontes e até mesmo reconstrução das casas das pessoas atingidas pelo desastre”, disse o ministro Waldez Góes.

O governo federal afirmou que destinará R$ 1,4 milhão para ações de assistência humanitária no Acre. O prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom (PP), agradeceu a visita da delegação federal e disse estar tranquilo com a rapidez da ajuda vinda da esfera federal. “Essa agilidade nos deixa muito confiantes de que teremos o suporte financeiro que precisamos”, afirmou.

O governador do Acre, Gladson Cameli (PP), destacou a importância da união em momentos de emergência, apesar das diferenças políticas. “Temos apenas um propósito, que é tentar chegar às famílias que mais precisam com a mão do Estado”.

O ensino na rede estadual foi suspenso e as escolas estão sendo utilizadas como abrigos para deficientes. Um total de 24 escolas foram disponibilizadas.

Além do Acre, pelo menos outros cinco estados foram afetados pelas chuvas e enchentes. No Amazonas, vídeos postados nas redes sociais mostram, por exemplo, casas sendo arrastadas pelas águas em Manaus. Outros estados afetados foram Pará, Rondônia, Tocantins e Maranhão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui