Alerta sarampo! Organização Pan-Americana da Saúde alerta risco de surto no continente

A doença pode ser fatal, mas vacina está disponível nos postos de saúde em todo o Brasil.

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o risco de surto de sarampo no continente americano é o mais alto dos últimos 30 anos. A organização está pedindo aos países que retomem a vacinação infantil e atualizem os planos de resposta ao sarampo para evitar o retorno da transmissão endêmica do vírus.

A Opas divulgou esta semana que os surtos mais significativos ocorreram no Brasil, onde continua a circulação endêmica. Em 2016, o país recebeu o certificado de eliminação do sarampo da Organização Mundial da Saúde (OMS), como resultado dos esforços nacionais para acabar com a doença infantil altamente contagiosa e potencialmente grave, para a qual existe uma vacina cuja taxa de eficácia contra a infecção seja de 97%.

Porém, em 2018, o vírus voltou a circular no país, ainda que a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, faça parte do Calendário Nacional de Vacinação e seja oferecida gratuitamente pelo SUS.

A redução na cobertura vacinal é apontada como uma das principais causas do ressurgimento da doença fatal. Segundo Ana Caetano, presidente da Sociedade Brasileira de Imunologia, houve uma redução muito grande nessa cobertura vacinal, especialmente no Brasil, onde a cobertura teve uma queda de 50% no último ano.

“Temos que explicar e informar a população, corretamente, que a vacina é necessária para evitar que a gente tenha um surto de sarampo no Brasil. E a doença vem exatamente disso, desses países onde aparecem movimentos anti-vacina e, principalmente, as fake news com relação às vacinas”, afirma Ana Caetano.

A vacinação é a melhor forma de prevenir a doença e evitar surtos. É importante que todos os pais e responsáveis levem as crianças para receberem as doses recomendadas e fiquem atentos à caderneta de vacinação.

Em 2021, apenas seis países do continente atingiram o nível recomendado de 95% de cobertura com duas doses da vacina. E outros dez países relataram cobertura abaixo de 80%. Até 2015, o percentual de brasileiros protegidos por vacinas atingiu o grupo-alvo. Porém, com a regressão da imunização, o percentual voltou ao patamar da década de 1980 e entre 2018 e 2021, períodos em que 26 crianças menores de 5 anos foram vítimas dessa doença no país. Nas duas décadas anteriores, apenas um óbito havia sido registrado.

Casos de Sarampo no Amazonas

O Portal Canal Três entrou em contato com a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), para saber sobre possíveis casos da doença no estado. O órgão informa que não há casos confirmados de sarampo registrados no Amazonas, mas que a Vigilância em Saúde se mantém sensível para todos os agravos, inclusive para o sarampo.

Vacinação no Amazonas

Para vacinar, basta ir a um posto ou Unidade Básica de Saúde (UBS) próximo portando documento de identidade ou certidão de nascimento, CPF ou Cartão Nacional de Saúde (CNS) e o cartão de vacina. O ideal é que cada dose seja administrada na idade recomendada. Entretanto, se perdeu o prazo para alguma dose, é importante voltar à unidade de saúde para atualizar as vacinas. Crianças e adolescentes precisam ser levados por um adulto responsável.

Sobre o Sarampo

O Sarampo é uma doença viral aguda, altamente transmissível, caracterizada por febre, exantema e sintomas respiratórios. Pode ser acompanhada de complicações graves, que podem deixar sequelas ou serem fatais. A transmissão do sarampo é direta, pessoa a pessoa, através das secreções nasofaríngeas, expelidas pela pessoa infectada ao tossir, espirrar, falar ou respirar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui